.

Assessor de Renan Filho são investigados em esquema de propina



As investigações da Polícia Federal acerca do suposto pagamento milionário de propina da J&F para o senador Renan Calheiros (MDB) alcançaram outros nomes. Pessoas ligadas ao governador Renan Filho (MDB) também estão sendo intimadas a prestar esclarecimentos ao Supremo Tribunal Federal (STF) e alvo de mandados de busca e apreensão.

A investigação aponta que o marqueteiro de campanha dos Calheiros, Adriano Gehres, teria usado sua empresa, GPS Comunicação LTDA, como intermediária no repasse da propina de R$ 3 milhões da JBS para a campanha de Renan Filho ao governo do Estado.

Reportagem publicada pelo Diário do Poder, mostra que Polícia Federal concluiu que a empresa de Gehres emitiu notas fiscais fraudulentas 12/2014 e 13/2014, respectivamente nos valores de R$ 900 mil e R$ 800 mil. Tal transação teria sido intermediada por Roseane Nogueira de Andrade. Esta também foi intimada e alvo dos mandados de busca.

Além disso, o restante do dinheiro teria sido destinado ao atual governador de Alagoas com notas fraudulentas do Ibope, no valor de R$ 300 mil, e doação oficial de R$ 1 mil do MDB de Alagoas.

O detalhe é que esses R$ 3 milhões foram apenas uma parte da cota destinada ao Senador Renan Calheiros, oriundos do fundo de R$ 35 milhões que a J&F destinou aos senadores do MDB.

O assessor especial do Gabinete Civil do governador Renan Filho, Ricardo José Gomes da Rocha, também está na lista dos intimados a prestar esclarecimentos ao ministro Fachin. Em 2014 ele teria atuado como motorista na campanha para o Governo do Estado. Na ocasião ele e o então assessor especial do governador Renan Filho, José Aparecido Alves Diniz, foram intermediários no recebimento de R$ 3,8 milhões enviados para o senador Renan Calheiros.

Inquérito

A ação é um desdobramento do inquérito 4707, que apura supostas doações de R$ 40 milhões feitas pela J&F a senadores do MDB para as eleições de 2014, após delação de Ricardo Saud.

Com base nas denúncias, o delegado Bernardo Guidali Amaral, solicitou ao ministro Fachin, relator da LAVA JATO no STF, a prorrogação do inquérito e posteriormente uma série de mandados de busca e apreensão, além de medidas de sequestro de bens.

Até o momentos nenhuma das partes citadas se pronunciou sobre as denúncias.
Assessor de Renan Filho são investigados em esquema de propina Assessor de Renan Filho são investigados em esquema de propina Reviewed by Noticias Online on 07 novembro Rating: 5
Tecnologia do Blogger.